A Importância da Neuroplasticidade

O que é Neuroplasticidade? Neste artigo vais aprender a importância da Neuroplasticidade e como podes desenvolver a tua plasticidade cerebral.
Especialista em Inteligência Emocional
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Sabes o que é Neuroplasticidade?

Conheces a expressão “Burro velho não aprende línguas”? A Neuroplasticidade vem desafiar este conhecido ditado popular.

Neste artigo vamos explicar a importância da Neuroplasticidade e como podes desenvolver a tua plasticidade cerebral

importância da neuroplasticidade

Definição de Neuroplasticidade

A neuroplasticidade pode ser definida como a capacidade do sistema nervoso de responder a estímulos, intrínsecos e extrínsecos, reorganizando a sua estrutura, funções e ligações, a plasticidade cerebral.

Está relacionada com a forma como o nosso cérebro se transforma, age e reage à medida que experimentamos uma mudança no ambiente que nos rodeia, nos nossos pensamentos e emoções.

O que diz a comunidade científica?

Durante décadas a comunidade científica afirmou que o cérebro, chegando à idade adulta, era estático e imutável, não sofria alterações ao longo do tempo.

Pesquisas mais recentes realizadas no campo da neurociência mostraram que esta afirmação não está correta.

Através de instrumentos como a “imagem por ressonância magnética funcional” (fMRI, Functional Magnetic Ressonance Imaging), a comunidade científica confirmou a capacidade de mudança e desenvolvimento do cérebro humano.

Estudos mais recentes revelam que o cérebro é um órgão dinâmico que muda constantemente. O cérebro pode ser desenvolvido através de estímulos mentais, ginástica cerebral e novas aprendizagens.

Como funcionam as Sinapses?

Quando utilizamos o nosso cérebro de forma diferente, criamos novas ligações entre neurónios, ligações essas denominadas por sinapses. A formação das sinapses está diretamente relacionada com a capacidade de aprendermos.

O aperfeiçoamento de uma habilidade ou a criação de um hábito implica o fortalecimento de algumas sinapses e o aumento da velocidade de processamento da informação e execução de tarefas.

Da mesma forma, se uma habilidade é pouco praticada ou não é treinada ao longo do tempo, as sinapses relacionadas com essa atividade são enfraquecidas e até deixam de existir, diminuindo a nossa capacidade de realizar determinadas tarefas.

Exemplos de Habilidades e Hábitos que desenvolvem a Neuroplasticidade

  • Fortalecer habilidades:

    • Aprender a tocar guitarra.

    • Aprender uma nova língua. (mesmo que tenha 90 anos!)

    • Aprender a gerir situações de conflito.

    • Aprender a controlar a ansiedade.

    • Aprender a vencer medos limitativos.

  • Mudar hábitos:

    • Fazer exercício todos os dias.

    • Acordar cedo.

    • Deixar de fumar.

    • Deixar de roer as unhas.

    • Deixar de comer bolachas de chocolate todos os dias. (Eu consegui mudar este hábito e vocês?)

A neuroplasticidade permite-nos aprender, memorizar e adaptar ao mundo que nos rodeia.

Neuroplasticidade e terapia comportamental

O neurobiólogo Richard Davidson da Universidade de Wisconsin, especialista no cérebro emocional, desenvolveu uma terapia comportamental que identifica a atividade cerebral subjacente a uma determinada característica emocional, como por exemplo, a tendência para viver com raiva.

Davidson demonstra que através da aplicação prática de exercícios mentais é possível haver uma alteração de comportamento que resulta numa vida emocional mais saudável.

Descobertas recentes em neuroplasticidade estão também a abrir caminho para o tratamento de lesões e doenças neurológicas, algo que até há pouco tempo não era explorado devido à falta de evidências científicas.

O que muda no cérebro?

O que muda no cérebro ao longo do tempo é a força das ligações entre neurónios, quanto mais uma atividade for praticada, mais ligações são criadas e tornam-se mais fortes incluindo todos os elementos envolvidos na experiência (informações sensoriais, movimento, padrões cognitivos).

A repetição e treino ao longo do tempo permite que a tarefa seja efetuada com maior facilidade e até executada de forma inconsciente.

Por exemplo:

Quando aprendemos a conduzir tinhamos que pensar em todas as atividades envolvidas, virar o volante, olhar para o espelho, pé na embraiagem mudar a mudança, e travar!!!  Para não atropelar a velhinha que estava a atravessar na passadeira.

Passados alguns anos de experiência damos por nós a conduzir quase de forma automática e por vezes estamos estão focados em algum pensamento ou conversa que nem nos lembramos do que aconteceu nos últimos 5 minutos enquanto conduzíamos. Já te aconteceu? Se sim diz-me como foi nos comentários deste artigo.

Conclusão

É muito importante dedicarmo-nos a novas atividades, a aprendermos novas habilidades que nos apaixonam e a mudarmos os nossos hábitos diários, de preferência para hábitos mais saudáveis.

Exercita o teu cérebro diariamente, aprende a dançar tango ou a tocar guitarra, vai para o trabalho por um caminho diferente, deixa de fumar e faz exercício todos os dias. Comanda a mudança na tua vida, o teu cérebro agradece.

Para exercitares o teu cérebro a nível cognitivo, recomendo este site com vários exercícios mentais: www.lumosity.com

Se exercitarmos a plasticidade do nosso cérebro mantendo-o saudável e ativo com novas aprendizagens, quando chegarmos aos 90 anos poderemos aprender várias línguas!

Neuroplasticidade
Partilha este artigo nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Ricardo Cabete

Ricardo Cabete

Especialista em Inteligência Emocional

Linked In

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ARTIGOS SOBRE INTELIGÊNCIA EMOCIONAL, COMUNICAÇÃO E LIDERANÇA:

Vídeos em destaque:

Emoções: O Manual de Instruções (Ricardo Cabete Palestra TEDx)

Workshop Inteligência Emocional com Ricardo Cabete

Tour Inteligência Emocional – Médio Oriente

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!